O capitão pediu penico. E daí?

Depois de armar o circo no Sete de Setembro, quando insuflou a turba a invadir o Congresso e o STF, pedir cabeças de membros da Corte e a ameaçar descumprir decisões judiciais, Bolsonaro arregou. Mandou uma Carta à Nação, redigida sob a inspiração de Michel Temer, convocado ao Planalto para impedir que o capitão fosse tragado pelo fogo que ele próprio criou, dizendo que tudo foi dito “no calor dos acontecimentos”.

Nero pressentiu que sua batata tinha ido ao forno. Além dos inquéritos no Supremo, o movimento dos caminhoneiros ameaçava ganhar autonomia e atropelar o comandante da barbárie.

Quem não digeriu bem a ideia foram os ogros do agronegócio, que puseram suas frotas de caminhões a serviço do golpe e sacaram no meio de caminho que tinham sido usados como bucha de canhão. As milícias se dividiram: uma parte acompanhou os caminhoneiros e chamou o capitão de frouxo; outra viu na arregada uma jogada estratégica, o que não é surpresa de quem se move ao som de berrante.

Também não surpreendeu a reação de quem atua para manter o status quo. O missivista Temer diz enxergar no documento o enterro da trajetória golpista do capitão: “Sinto que é coisa do passado. ” Já o presidente da Câmara Arthur Lira saudou o documento a chance de se manter atrelado ao baú de emendas e privilégios que ele e seu grupo herdaram para segurar a cabeça de Bolsonaro: “Que a carta do presidente seja uma oportunidade de recomeço de conversas para estabilização da política na vida do povo brasileiro. ”

A blindagem atual só serviu para arrefecer o movimento pelo impeachment e reinstituir um clima de falsa normalidade. Porque obviamente Bolsonaro não vai parar de atentar contra os interesses do país e da democracia. É de sua índole golpista e é o que lhe resta pra se manter como ação política.

O antídoto pra isso é o movimento das ruas. A jornada Fora Bolsonaro recomeça hoje revigorada e deve se estender até que esse cidadão seja catapultado do poder. O PV estará presente ao lado das forças de oposição em 16 capitais do país.    

Deixe uma resposta