Penna


Penna é presidente nacional do Partido Verde. Elegeu-se vereador (2008) e deputado federal (2010), por São Paulo, e comandou a secretaria de estado da cultura (2017/18), no governo de Geraldo Alckmin. Além da militância política, dedicou-se à musica, ao teatro e ao cinema.


Foto: Rama de Oliveira

José Luiz de França Penna nasceu em Natal, Rio Grande do Norte, em 27 de dezembro de 1945, mas é mais identificado por laços e origens baianos. Ainda na Salvador dos anos 60, dividiu-se entre a música e o ativismo político, tendências que iriam marcar definitivamente sua trajetória pessoal.

Em São Paulo, paralelamente à carreira artística, Penna impulsionou projetos de natureza sociocultural e ambiental. O primeiro foi a criação do
Centro Cultural de Vila Madalena, no final da década de 70, referência em São Paulo na promoção de festejos de rua, como é a tradicional Feira da Vila Madalena. A Feira da Vila ajudou a emprestar ao bairro os traços de boemia e agito cultural que ganhou a partir de então.

Foi o Centro Cultural da Vila Madalena que possibilitou também a mobilização por intervenções urbanas e paisagísticas destinadas à melhoria da qualidade de vida no bairro e em seu entorno. A principal delas foi a criação, em meados dos anos 90, do Parque Villa Lobos, hoje uma área de 732 mil m², com equipamentos de lazer e esportes, anfiteatro e um bosque com espécies nativas da Mata Atlântica.

Outro projeto foi a fundação da Comissão Pró Índio de São Paulo, ONG dedicada à luta pelos direitos dos povos indígenas e quilombos remanescentes. O contato com essas comunidades pavimentou o caminho que o uniu a ecologistas e outros segmentos da sociedade civil para a formação do PV em 1987.

Desde então Penna assumiu o papel de dar forma às proposições do partido, fundamentadas no desenvolvimento sustentável, na promoção socioambiental e defesa dos direitos civis e das minorias.

Penna acredita que o exercício da política se dá entre o ativismo e o plano institucional, caminho pelo qual busca entender os desafios de um tempo em constante transformação. E que aspectos fundamentais da sociedade devem ser discutidos sob um novo ponto de vista, que traduza melhor o Brasil e a sociedade global do século 21.